Cloro, felicidade e algum aprendizado.

Uma das coisas que sinto orgulho em ter iniciado, neste ano de 2008, é a prática da natação. Tem me devolvido a forma e o fôlego perdidos nos últimos anos, além de uma felicidade boa por estar cuidando de mim mesmo de forma tão simples e, ao mesmo tempo, tão eficaz. Se eu soubesse que seria assim, teria arrumado uma vaga na agenda para ela (a piscina) há muito tempo. Enfim, antes tarde… do que mais tarde ainda. Associei o cheiro do cloro à felicidade, diversão…

Outro dia resolvi comemorar a volta do ser que eu era (fisicamente) e fiz uma atualização de guarda-roupas: jeans alguns números menores, camisetas idem, bermudas, etc… finalmente, eu sou eu novamente!! 95% de mim estava entusiasmado, feliz feito criança com brinquedo novo: “Ricardo, você conseguiu… depois de tantos anos se escondendo atrás de uma aparência (e de um certo desleixo também) que não era sua, você retornou!”. Comemorei meu feito, não me arrependo dele, e se puder termino o desafio – minha melhor forma. Promessa. Não a tenho pretensão (e sei que seria impossível) de voltar a ser quem fui há tanto tempo atrás, mas ainda posso pelo menos ser eu mesmo – mais velho, mas ainda eu, ao menos como me entendo. Tive alguns ganhos importantes na saúde também – o que era meu primeiro objetivo; só estes ganhos, sozinhos, já valeram a pena.

Ah… mas e os outros 5%? Ficaram bem preocupados… lembraram da quantidade  de enganos (meus e de outros) e algumas frustrações que de alguma forma associei com minha aparência, com o fato de estar bonito, ou pelo menos ser visto assim pelas pessoas (dentro daquilo que a sociedade entende como bonito, ao menos). Estes 5% estão olhando para isso tudo com aquele pé atrás, rezando para que os anos aí do “intervalo” tenham me ensinado algumas coisas a este respeito, que a idade tenha trazido realmente o equilíbrio que faltava e eu tenha aprendido a lidar melhor com as expectativas dos outros. Tomara.

One Response to “Cloro, felicidade e algum aprendizado.”

  1. katita says:

    Querido e doce Ricardo,
    Seu texto como todas as outras vezes que leio algo que você escreve me faz refletir…refletir e refletir…
    Enquanto quando eu lembro do cheiro do cloro tenho vontade de espirrar a você ele traz essa sensaçao de VITÓRIA. Coisa boa.
    Poucas pessoas são tão merecedoras de vitórias e vitórias na vida como você é.
    Que a felicidade pela volta a forma fisica seja principalmente pela saude que vai ser beneficiada e muito com ela. Porque o resto meu amigo, é resto. Nao o vejo como escravo dos padrões adotados da beleza, nem quero. Até porque eu acho-o lindo, lindo e lindo. Gordinho, magrinho, com a barba por fazer, barbeado, cabeludo ou cabelinho curto, arrumadinho ou largadao.
    A sua beleza vem ai de algum lugar que não sei onde esconde, talvez no fundo desses olhos azuis-esverdeados ou esverdeados-azuis, talvez debaixo de algum cacho desses cabelos que começam a pratear, ou quem sabe no seu jeito todo peculiar mesmo de ser gente.
    Entao pra mim, a forma física não vai fazer tanta diferença assim… mas insisto, chegue ao seu ideal, por você mesmo.
    Dê muitas braçadas na água tão amiga, mergulhe de olhos abertos vendo o quadriculado do fundo da piscina, fique com os cabelos azuis do seu adorado cloro, nade, nade e nade. Jogue fora, os ultimos quilinhos que faltam para o seu ideal, aproveite e jogue fora também qualquer pensamento turvo que em algum momento possa percorrer a sua cabeça tão boa… e entao, renovado e leve com certeza ainda mais seu sorriso se abrirá.
    Tenho orgulho de ser sua amiga.
    Beijos.

Leave a Reply

*